Letras de músicas - Letras.mus.br

Aciona as peças

A286

Me vi num campo jogando com a camisa da seleção
Acordei sangrando com os gambé gritando:
''Cadê a arma ladrão?''
Vixi. É louco jão é quente não basta a honestidade
Onde condenam a caráter da sua cor sua classe
Me sinto em fase terminal
Com os meus próximo a extinção
Tipo espécie animal vítima da humanação
Entre o ser dotado de poder dando tiro
E o nada tretando com as ratazanas por lixo
Barraco, lodo, mofo, esgoto é o que sobrou pra nós
Pra tentar fazer vida desassistido sem voz
No farol mendigando um real
Porque não quis vingar a desvalorização do trampo braçal
A cidadania, a civilização é injusta
Não te quer conhecedor tio mesmo sem formatura
No êxito da agricultura alguém cortar a cana
Caçar caulim na mina sem EPI de segurança
Cusão que não entende a essência do bagulho
Me julga feito um Hitler influencia meio mundo
Diz que a esperança não tá morta, que nós é forçado
Caraio! que porra de mundo que cê vive ,arrombado
Nunca viu rato assado matando fome de quem
Nasce ,vive ,morre sem registro sem nome
Mais um personagem pobre na laje escondendo a cara
Que no anúncio do pipa recepciona a viatura à bala

Aciona as peça lá
Que nóis tá no veneno
Enquanto houver injustiça
O bang é monstro memo
Apologia ao crime
É a forma que nois vive ,tio (2X)

Quem nas antigas só via água pelo carro pipa
Não teme a seca mundial prevista
Já resistiu ao inferno desde o parto forçado em casa
Com a mãe socando a própria barriga ,drogada
Não existe ninho, nan, quando o leite do peito não sai mais
Agora é fazer besteira ou assinar abandono de incapaz
Nada é pior que vender o rim do próprio corpo
Pra garantir o alimento dos pivete novo
Fugir da seca solitário na carona dos outros
Morrer mendigo em São Paulo sem ver a família de novo
Porque não teve a qualificação exigida pela empresa
Ou porque ninguém quis te dar experiência
Quando eu precisar de atendimento hospitalar
Cês unem o útil ao agradável pro estagiário treinar
Depois que me matar no Albert Einstein periférico
Não vão errar nos boys remédio nem método
Enquanto criam SUS pra atender meu filho
Tratam câncer com cirurgia nos estados unidos
Comprovam a ineficácia seus projetos ilusórios
É só areia nos olhos pra ganhar votos
Até a circulação hipertensa é conseqüência do lucro da empresa
Que o nutriente dispensa pra baratear o produto
Ontem cê pôs o pão de açúcar no guia pro turista
Hoje no times eu ponho a pedrada metralhando policia

Aciona as peça lá
Que nóis tá no veneno
Enquanto houver injustiça
O bang é monstro memo
Apologia ao crime
É a forma que nois vive ,tio (2X)

Não trata com arrogância que hoje o analfabeto não
Veio trazer currículo, ver se tem vaga em aberto
Muda atitude né cu, quando em vez de limpar o vidro
Quero o rolex do pulso vai dá a chave do Stilo
Só tô cumprindo o ciclo natural da vida
ontem queria ser jogador hoje sou cria de quadrilha
Seqüestro filho do diretor do presídio
Em troca da libertação dos parceiros vivos
Explodo a testa do oficial de justiça no portão
Quando bater palma pra dar intimação
Vê que seu rosto sangrando é mais humano
Que dar comida com validade vencida pra filha chorando
Pega os móveis, corre, foge, pega tudo que pode
Antes que a água cubra a casa e o barranco nos sufoque
E que meteorologia 95% de exatidão é só
Pro comércio de cerveja no verão
Onde crianças morrem de doença evitável
Famílias vivem sem acesso a água potável
Onde ibupropiona, campanha anti-tabaco
Não reduz consumo de cigarro com valor barato
Esquecido, sem sinal divino, triste
Diversificando calibre dos 38 aos rifles
Mas quando atribuir violência à minha cara
Lembra que quem representa a ONU também fabrica arma

Aciona as peça lá
Que nóis tá no veneno
Enquanto houver injustiça
O bang é monstro memo
Apologia ao crime
É a forma que nois vive ,tio (2X)

16.756 exibições
Ver mais fotos
Músicas
Ouvindo agora ouvintes online
    Artistas
    Estilos Musicais
    Playlists
    Recentes
      Destaques
      Últimos destaques
      Mais