Sin Que Se Note

Alejandro Sanz

exibições 10.136

Sin Que Se Note

Le puse un poco de imaginación
No fue un milagro con perdón de Dios
Jamás sentí esa fuerza en mí

Sin vanidad sin ego ni ambición
Te digo mas no sé si con valor
Pero coraje y esperanza sí

En tu mirar curé mi fiebre
Y fue de repente
Los naufragios me he tragado
Y las heridas ya no duelen

Sin que se note
Te miro y es sin que se note
Y la verdad que había en mí
Y que era inmensa
De la rutina estaba presa
Sin que se note
Te miro y es sin que se note
Y la mentira que hubo en mí que era intensa
Desaparece, sólo muere
Y los miedos se disfrazan y se esconden para no ver el sol
Y se asustan oh uh…

No fue la suerte quien me lo enseñó
Me até a la fuerza que vivía en mí
Con siete llaves de imaginación
Ganó mi ansia y mi esperanza
Venció a mi mente desatada
Y así escapé de aquellas garras

Y al fuego eché miles de cartas y de palabras
Tesoros que no valen comparados con tu alma

Sin que se note
Te miro y es sin que se note
Y la verdad que había en mí es tan inmensa
De las promesas queda presa
Sin que se note
Te miro y es sin que se note
Y la verdad que había en mí es tan intensa
Ya no le teme a lo que quiere
Se ha deshecho del disfraz con el que oculta su mirada
Se ha entregado a la ilusión de pelear por lo que ama
Corazones que se buscan en aquellas madrugadas
Son corazones, son montañas
Que no se esconden, que se hablan

Sin que se note
Te miro y es sin que se note
Y la verdad que había en mí es tan intensa
De las promesas queda presa
Sin que se note
Te miro y es sin que se note
Y la verdad que había en mí y que era inmensa
Ya no le teme a lo que quiere
Se ha deshecho del disfraz con el que se ocultó
No se asusta, no
No se asusta, no

Sem Que Se Note

Pus um pouco de imaginação
Não foi um milagre com perdão de Deus
Jamais senti essa força em mim

Sem vaidade, sem ego nem ambição
Te digo mas não sei se com ousadia
Mas coragem e esperança sim

Em teu olhar curei minha febre
E foi de repente
Os naufrágios eu engoli
E as feridas já não doem

Sem que se note
Te olho e é sem que se note
E a verdade que havia em mim
E que era imensa
Da rotina estava presa
Sem que se note
Te olho e é sem que se note
E a mentira que houve em mim que era intensa
Desaparece, só morre
E os medos se disfarçam e se escondem para não ver o sol
E se assustam oh uh...

Não foi a sorte quem me ensinou
Me atei à força que vivia em mim
Com sete chaves de imaginação
Ganhou minha ânsia e minha esperança
Venceu à minha mente desorientada
E assim escapei daquelas garras

E ao fogo lancei milhares de cartas e de palavras
Tesouros que não valem comparados com a tua alma

Sem que se note
Te olho e é sem que se note
E a verdade que havia em mim é tão imensa
Das promessas fica prisioneira
Sem que se note
Te olho e é sem que se note
E a verdade que havia em mim é tão intensa
Já não tem medo do que quer
Se desfez do disfarce com o qual oculta seu olhar
Se entregou ao encanto de brigar pelo que ama
Corações que se buscam naquelas madrugadas
São corações, são montanhas
Que não se escondem, que se falam

Sem que se note
Te olho e é sem que se note
E a verdade que havia em mim é tão imensa
Das promessas fica prisioneira
Sem que se note
Te olho e é sem que se note
E a verdade que havia em mim é que era imensa
Já não tem medo do que quer
Se desfez do disfarce com o qual se ocultou
Não se assusta, não
Não se assusta, não

Composição: Alejandro Sanz / Tommy Torres · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Andressa, Traduzida por Diene, Legendado por FlaviinhaNobregaa
Viu algum erro na tradução? Envie sua correção.
Terra Música
feedback