Enséñame Tus Manos

Alejandro Sanz

exibições 28.405

Enséñame Tus Manos

A veces las cosas se tuercen te digo por cierto
Y te encuentras frente a ese desierto abierto
Con el hielo mudo y el coraje lento
Tan viejo como el mismo mundo
El cariño y el despecho,
El camino se hace andando, sí
Pero un desierto es un desierto

Ya sé por qué le ganó a nuestro labio el silencio,
Y es que el reloj no tiene el tiempo, no tiene el miedo
El caso es que no conseguimos aislarnos del resto de este mundo
Donde los humanos, cambian los sueños por aire
Dame alguna excusa que nos salve
O que nos traguen siete mares
Pero no me quites el coraje

Enséñame tus manos
Abre las palmas que las vea
Y ahora, dime si aún te queda un poco de esperanza en ellas
Enséñame tus manos
Esas con las que nos acariciamos
Y hoy nos hacemos tanto daño, tanto daño amor

Tal vez por qué para ti sólo soy un cero a la izquierda
Y no hay manera de que multiplique mi cariño por tus ganas
Y nos den más que cero

Ya sé por qué le ganó a nuestro labio el silencio
Y es que el reloj no tiene el tiempo, no tiene el miedo
No tiene el fuego
No te preocupes que hoy es domingo y dios descansa
Disfrutemos del momento y de este sitio que nos regala
Dame alguna excusa que nos salve
O que nos traguen siete mares
Pero no me quites el coraje.

Enséñame tus manos
Abre las palmas que las vea
Y ahora, dime si aún te queda un poco de esperanza en ellas
Enséñame tus manos
Esas con las que nos acariciamos
Y hoy nos hacemos tanto daño

Enséñame tus manos
Que las mías se han cansado
De intentar coger el mundo con los puños apretados
Enséñame tus manos
Esas con las que nos acariciamos
Y hoy nos hacemos tanto daño

Mostre-me Tuas Mãos

Às vezes as coisas se torcem, te digo com certeza
E você se encontra frente a este deserto aberto
Com o gelo mudo e a coragem lenta
Tão velho como o mesmo mundo
O carinho e o despeito
O caminho se faz andando, sim
Mas um deserto é um deserto

Já sei porque o silêncio ganhou os nossos lábios
É que o relógio não tem o tempo, não tem medo
O caso é que não conseguimos nos isolar do resto desse mundo
Onde os humanos trocam sonhos por ar
Me dê alguma desculpa que nos salve
De que nos trague os sete mares
Mas não me tire a coragem

Mostre-me tuas mãos
Abra as palmas para que as veja
E agora, me diga se ainda tem alguma esperança nelas
Mostre-me tuas mãos, essas, com que nos acariciamos
E hoje nos fazemos, tanto mal, tanto mal amor

Talvez porque para você sou só um zero a esquerda
E não tem jeito de que se multiplique meu carinho por sua vontade
E nos dêem mais que zero

Já sei porque o silencio ganhou os nossos lábios
É que o relógio não tem o tempo
Não tem o medo
Não tem o fogo
Não se preocupe, hoje é domingo e Deus descansa
Desfrutemos do momento e deste lugar que nos presenteia
Me dê alguma desculpa que nos salve
De que nos trague os sete mares
Mas não me tire a coragem

Mostre-me tuas mãos
Abra as palmas para que as veja
E agora, me diga se ainda tem alguma esperança nelas
Mostre-me tuas mãos, essas, com que nos acariciamos
E hoje nos fazemos, tanto mal

Mostre-me tuas mãos
Porque as minhas se cansaram
De tentar agarrar o mundo
Com os punhos fechados
Mostre-me tuas mãos, essas, com que nos acariciamos
E hoje nos fazemos, tanto mal

Terra Música feedback