En El Silencio Negro de la Noche

Alexandre Pires

exibições 16.800

En El Silencio Negro de la Noche

Guardaré las cosas que dejaste aquí
Las fotografías, todos los recuerdos
Limpiaré mi alma de ese olor a ti
Callaré en mi boca todos los te quieros

Cambiaré por fin para hacerme bien
Tantas noches de melancolía
Para proseguir, para reinventarme
Para ver llegar un nuevo día, es tan ilógico (es tan ilógico)
Lo que es desamor te hace
Es tan irónico, tan despreciable

Te desprende el alma toda en mil pedazos
Y aunque quieras tu el cuerpo no responde
Y tu corazón se queda en carne viva
Y te quedas solo, sólo con tu vida
Solo en el silencio negro de la noche
Solo en el silencio negro de la noche

No tendré memoria de lo que pasó
Ni le tendré medo a los remordimientos
Y yo sacaré lo mejor de mi
Para ver una sonrisa puesta en el espejo

Yo reforzaré todas mi pisadas
Hasta ver que todo el mar está en calma
Para proseguir, para reponerme
Lo que tú te me llevaste del alma, es tan irónico
Lo que el desamor te hace
Es tan ilógico, tan depreciable

Te desprende el alma toda en mil pedazos
Y aunque quieras tu el cuerpo no responde
Y tu corazón se queda en carne viva
Y te quedas solo, sólo con tu vida
Solo en el silencio negro de la noche
Solo en el silencio negro de la noche

Te desprende el alma toda en mil pedazos
Y aunque quieras tu el cuerpo no responde (el cuerpo no responde)
Y tu corazón se queda en carne viva (se queda en carne viva)
Tu te quedas solo, sólo con tu vida (sólo con tu vida)
Solo en el silencio negro de la noche (en el silencio negro de la noche)

(Te desprende el alma toda en mil pedazos)
Y aunque quieras tu el cuerpo no responde (el cuerpo no responde)
Solo, sólo con tu vida (se queda en carne viva)
Y te quedas solo, solo, solo (con tu vida)
Solo, solo, solo (negro de la noche)

(Te desprende el alma toda en mil pedazos)
El cuerpo no responde (el cuerpo no responde)
Corazón! (se queda en carne viva)
Tu vida (sólo con tu vida)
Negro de la noche

No silêncio negro da noite

Guardarei as coisas que deixaste aqui
As fotografias, todas as recordações
Limparei minha alma desse seu cheiro
Calarei em minha boca todos os te queros

Mudarei enfim, para me fazer bem
Tantas noites de melancolia
Para prosseguir, para me reinventar
Para ver chegar um novo dia, é tão ilógico (é tão ilógico)
O que o desamor te causa
É tão irônico, tão depreciável

Te parte a alma toda em mil pedaços
E ainda que te queira seu corpo não responde
E seu coração fica em carne viva
Você fica sozinho, somente com sua vida
Sozinho no silêncio negro da noite
Sozinho no silêncio negro da noite

Não me lembrarei do que passou
Nem terei receio dos remorsos
E eu tirarei o melhor de mim
Para ver um sorriso diante do espelho

Eu reforçarei todos os meus passos
Até perceber que o mar inteiro está calmo
Para prosseguir, para recompor
O que você me levou da alma, é tão irônico
O que o desamor te causa
É tão ilógico, tão depreciável

Te parte a alma toda em mil pedaços
E ainda que te queira seu corpo não responde
E seu coração fica em carne viva
Você fica sozinho, somente com sua vida
Sozinho no silêncio negro da noite
Sozinho no silêncio negro da noite

Te parte a alma toda em mil pedaços
E ainda que te queira seu corpo não responde (o corpo não responde)
E seu coração fica em carne viva (fica em carne viva)
Você fica sozinho, somente com sua vida (somente com sua vida)
Sozinho no silêncio negro da noite (no silêncio negro da noite)

(Te parte a alma toda em mil pedaços)
E ainda que te queira seu corpo não responde (o corpo não responde)
Sozinho, somente com sua vida (fica em carne viva)
E fica sozinho, sozinho, sozinho (com sua vida)
Sozinho, sozinho, sozinho (negro da noite)

(Te parte a alma toda em mil pedaços)
O corpo não responde (o corpo não responde)
Coração! (fica em carne viva)
Sua vida (somente com sua vida)
(negro da noite)

Terra Música
feedback