Letras de músicas - Letras.mus.br

Nas patas do meu cavalo devoro léguas de chão
Vou gineteando solito este viver redomão
Não trago amarras comigo, bem pouco tenho de meu
Pingos e avios de campeiro, a sina que Deus me deu

E vez por outra se ajeita, de corcovear num surungo
Lasqueadito de bolcheiro não me paro de matungo
No repinico da viola, chuleando a porta dos fundos
Lavo a baia no jardeio e não dou bola pra resmungo

Sem pouso certo ou querência, me chamam de rumbiador
Moro onde moram as lidas, manhas de peão domador
Se me castiga o pampeiro, do recavém das missões
Bem digo poncho parceiro, quando me faltam fogões

E vez por outra se ajeita, de corcovear num surungo
Lasqueadito de bolcheiro não me paro de matungo
No repinico da viola, chuleando a porta dos fundos
Lavo a baia no jardeio e não dou bola pra resmungo

E quando antigas saudades amargam meu chimarrão
Ele escova-lhe a guitarra, disfarçando a solidão
Assim debocho do tempo, paleteando o horizonte
Foi engano de quem disse que já me viu em reponte

E vez por outra se ajeita, de corcovear num surungo
Lasqueadito de bolcheiro não me paro de matungo
No repinico da viola, chuleando a porta dos fundos
Lavo a baia no jardeio e não dou bola pra resmungo

Composição: .Jorge Nicola e Juliano Trindade · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Grupo
345 exibições
Ver mais fotos
Músicas
Ouvindo agora ouvintes online
    Artistas
    Estilos Musicais
    Playlists
    Recentes
      Destaques
      Últimos destaques
      Mais