De Alma Na Estrada

Jairo Lambari Fernandes

exibições 1.416

Parece brotar do chão a potrada num repecho
Um fronteiro afrouxa o queixo de um sogueiro malacara
Tropilha que vai para a estrada nos doze dias de tropa
E a eguada desemboca no lamaçal da mangueira

Cheira o barro da porteira e o semaneiro atropela
E afrouxa a areia da goela num sapucay debochado
O capataz distribuindo os mansos e os mal bulidos
Pra o índio cruzar entretido lidando no corredor

Por tropeiro e domador, me "gusta" tirar uma "olada"
Se ajeita as mal principiadas, se o toso volta sereno
O patrão por ser dos buenos garante a changa dobrada
Um bragado perde a doma me "exprimentando" o tutano

Se vem na volta berrando, desconfiando da cambona
Mas potro da minha doma, calçado não perde um pulo
Conhece a volta do culo e bagual não se governa
Afirmo a cana da rédea e cai sentado no sabugo

Confio na minha conta, no que sai pra carreteira
Bem na boca da porteira é que se estreita o fiador
Se cruza pra o corredor e a tropa tá conferida
Bamo de marcha batida grudando a alma na estrada
E a minha talha não desmente a saída na chegada

Composição: Paulo Garcia e Jairo Lambari Fernandes · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por maisgauderio
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.
0 comentários
Terra Música feedback