La Solitudine

Renato Russo

exibições 157.388

La Solitudine

Marco se n'è andato e non ritorna più
E il treno delle sette e trenta senza lui
É un cuore di metallo senza l'anima
Nel freddo del mattino grigio di città

A scuola il banco è vuoto e marco è dentro me
È dolce il suo respiro fra i pensieri miei
Distanze enormi sembrano dividerci
Ma il cuore batte forte dentro me

Chissà se tu mi penserai
Se con i tuoi non parli mai
Se ti nascondi come me
Sfuggi gli sguardi e te ne stai
Rinchiuso in camera e non vuoi
Mangiare stringi forte a te il cuscino
E piangi e non lo sai quanto altro male
...ti farà
La solitudine

Marco nel mi diario ho una fotografia
Ha gl'occhi di bambino un poco timido
La stringo forte al cuore e sento che ci sei
Fra i compiti di inglese e matematica

Tuo padre e i suoi consigli che monotonia
Lui con il suo lavoro ti ha portato via
Di certo il tuo parere non l'ha chiesto mai
Ha detto "un giorno tu mi capirai!"

Chissà se tu mi penserai se con gli amici parlerai
Per non soffrire più per me ma non è facile lo sai
A scuola non ne posso più e i pomeriggi senza te
Studiare è inutile tutte le idee si affollano su te

Non è possibile
Dividere
La vita di noi due
Ti prego aspettami
Amore mio
Ma illuderti non so...

La solitudine fra noi questo silenzio dentro me
È l'inquietudine di vivere la vita senza te
Ti prego aspettami perché
Non posso stare senza te
Non è possibile dividere la storia di noi due

La solitudine fra noi questo silenzio dentro me
è l'inquietudine di vivere la vita senza te
Ti prego aspettami perché
Non posso stare senza te
Non è possibile dividere la storia di noi due
La solitudine...

A Solidão

Marco foi embora e não volta mais
E o trem das sete e meia sem ele
é um coração de metal sem a sua alma
No frio da cinza manhã da cidade

Na escola o banco está vazio, Marco está dentro de mim
É doce o seu respiro entre os meus pensamentos
Distâncias enormes parecem nos dividir
Mas dentro de mim o coração bate forte

Quem sabe você pensa em mim
Se com os seus pais não fala mais
Se você se esconde como eu,
se foge aos olhares e aí está
Trancafiado no quarto sem querer comer
Aperta forte o travesseiro contra si
E chora, sem saber quantos outros males
...te fará
A Solidão

Marco, tenho uma foto sua no meu diário
Você tem os olhos de um garoto meio tímido
Aperto-a forte contra o meu coração e sinto que você está
Entre os deveres de Inglês e Matemática

Teu pai e seus conselhos, que coisa chata
Ele e o seu trabalho te levaram embora
Com certeza ele nunca perguntou a sua opinião
Só disse "Um dia você me entenderá!"

Quem sabe você pensa em mim
Se conversará com seus amigos para não sofrer mais por mim, mas você sabe que não é fácil
À escola não posso ir mais, e as tardes sem você
É inútil estudar, todas as idéias vão em sua direção

Não é possível
Separar
A vida de nós dois
Te peço que me espere
meu amor
Mas não sei te iludir...

A solidão entre nós, dentro de mim este silêncio
É a preocupação de ter que viver a vida sem você
Peço que me espere porque
Não posso ficar sem você
Não é possível separar as nossas histórias

A solidão entre nós, dentro de mim este silêncio
É a preocupação de ter que viver a vida sem você
Peço que me espere porque
Não posso ficar sem você
Não é possível separar as nossas histórias
A Solidão...

Composição: F.Cavalli / P.Cremones / A.Valsiglio · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Maligno, Traduzida por Maligno, Legendado por crysnanda_rocha e tracera
Viu algum erro na tradução? Envie sua correção.
Terra Música feedback