Soot and Stars

The Smashing Pumpkins

exibições 3.011

Soot and Stars

The words flow
Decisions made
Idea's mine
But the inspiration not
Dreams of hangers-on
Dreams of getting well
Spells of esmeralda
Amarose fortold

Splinters in the eye
Sentiments remain
Bones are never asked
Where are we going to
It was never up to me
And yet i pushed until it broke

I love the open road
And all that it suggests
Wheelwagon dust
Weeds and infidelities
And always swore our love
Never questioned why
In a wooden house
Immovable and silent
And drinking strawberry wine
Forever lost in town

And through the sleeping streets
Nightbound and heavy
Wheels in a spoke
Just a spoken foreign sound

Know my gates are high
My friends even higher
Forgotten in my mind
Yet the scars still lingering
Cloud the blue skies
I'm jealous of you birds
Was the only truth
In a world full of words

Hear the prairie sound
In a friend called neil
The heart is pointed down
But my spirit pointed up
His voice the siren
Of greek mythology

I pause with my pen
I begin to defend
Every action taken
Every moment sealed
When i was quick
It coursed through open veins
The will to live
The urgency to move
Behind a panel door
Sealing cherry stain
I played my guitar
And lived those lonesome notes

Like a dog that's down
In a corner just aside
Waiting to be called
Waiting to be yours
Ghosts of a machine
Without purpose or will

I'll often speak of you
But the you was always me
'cause when i speak of me
It's me i ask of you
So let there be no truth
Just trickery in rhymes
Time the only thing
Waiting still is death

I hope for resolution
Pray one defining moment
Pause without restraint
Barren without child
A child is who i was
A child is who i'll die
A child is who i'll die

Soot in my hair
And stars in my hands
Soot in my hair
And stars in my hands
Soot in my hair
And stars in my hands

Fuligem e Estrelas

O fluxo de palavras
Decisões tomadas
Mina de Idéia
Mas a inspiração não
Sonhos de parasitas
Sonhos de ficar bem
Magias de Esmeralda
Amarose fortold

Estilhaços no olho
Sentimentos permanecem
Bones nunca se perguntou
Onde estamos indo
Ela nunca foi até mim
E ainda me empurrou até que ele quebrou

Eu amo a estrada aberta
E tudo o que ele sugere
Poeira nas rodas do vagão
Ervas daninhas e infidelidades
E sempre jurou nosso amor
Nunca questionou porque
Em uma casa de madeira
Imóvel e em silêncio
E bebendo vinho de morango
Para sempre perdidos na cidade

E pelas ruas de dormir
Limite da noite e pesados
Rodas em um raio
Apenas um som falado estrangeiros

Conheça minhas portas são altas
Meus amigos ainda maior
Esqueceu-se na minha mente
No entanto, as cicatrizes ainda remanescentes
Nuvem no céu azul
Estou com inveja de você aves
Foi a única verdade
Em um mundo cheio de palavras

Ouvir o som da pradaria
Em um amigo chamado Neil
O coração é apontado para baixo
Mas o meu espírito apontado para cima
Sua voz de sereia
Da mitologia grega

Eu pauso com a minha caneta
Eu começo a defender
Toda a acção
Cada momento selado
Quando eu era rápido
Ele percorria as veias abertas
A vontade de viver
A urgência de mover
Atrás de uma porta de painel
Vedação mancha de cereja
Eu joguei minha guitarra
E viveu essas notas solitário

Como um cão que é baixo
Em uma esquina de lado
À espera de ser chamado
Esperando para ser seu
Fantasmas de uma máquina
Sem propósito ou vontade

Vou muitas vezes falam de você
Mas o que você sempre
Porque quando eu falo de mim
Sou eu que peço a você
Então deixe haver nenhuma verdade
Só trapaça em rimas
Tempo, a única coisa
Esperando ainda é a morte

Espero que para a resolução
Reze um momento decisivo
Pausa sem restrição
Estéril, sem filho
A criança é quem eu estava
Uma criança é que eu vou morrer
Uma criança é que eu vou morrer

Fuligem no meu cabelo
E estrelas em minhas mãos
Fuligem no meu cabelo
E estrelas em minhas mãos
Fuligem no meu cabelo
E estrelas em minhas mãos

Terra Música feedback