Cuco PeÑa

Thalía

exibições 2.352

Cuco PeÑa

Este es el corrido del grán Cuco Peña
Hombre bien bragado en toda su tierra
En el desayuno se echaba un tequila
Para el mediodía abría otra botella

Ya para la noche, pistola en la mano
Vaciando cantinas, giraba en tacones
Luego en una esquina buscaba chamacas
Sombrero de lado, camisa de fuera

Agarró a la vieja, la echaba en el anca
Clavaba la espuela y el caballo arranca
Y ocurrió esa noche que estando borracho
Después de quererla, quedó entre sus brazos

Ay Cuco Peña, ay alma en pena
Ay Cuco Peña, no era la buena
Ay Cuco Peña, ay alma en pena
Ay Cuco Peña, no era la buena

Luego al día siguiente, terror en la cara
"Qué hacía a su lado", él se preguntaba
Era el jóven Huicho, de extrañas maneras
Vestido de 'ñora, sonriendole ahora

"¡Me has roto la honra!", gritó Cuco Peña
Y desorbitado sacó la pistola
Dándo de balazos al pobre del Huicho
Lavó su deshonra el grán Cuco Peña

Detrás de las rejas el grán Cuco Peña
Triste y solitario cumple su sentencia
Pero de su celda ya hizo vivienda
Llegan sus muchachas, comida y bebida

Ay Cuco Peña, ay alma en pena
Ay Cuco Peña, no era la buena
Ay Cuco Peña, ay alma en pena
Ay Cuco Peña, no era la buena

Y este fue el corrido del grán Cuco Peña
Genio y figura hasta la sepultura
Trotando en el mundo su sombra vagaba
Buscando su hombría que alguien se llevara

Ay Cuco Peña, ay alma en pena
Ay Cuco Peña, no era la buena
Ay Cuco Peña, ay alma en pena
Ay Cuco Peña, no era una vieja...

Cuco PeÑa (Tradução)

Esta é a história do grande Cuco Peña
Homem bem valente em toda sua terra
No café da manhã tomava uma tequila
Para o meio-dia, abria outra garrafa

Já durante a noite, pistola na mão
Esvaziando tavernas, perambulava de salto
Em uma esquina procurava garotas,
"Sombrero" de lado, camisa de fora

Agarrou uma garota e a colocou em sua coxa,
Cravou a espora e partiu em seu cavalo
E aconteceu aquela noite que, estando bêbado,
Depois de possuí-la, permaneceu em seus braços

Oh Cuco Peña, oh alma sofrida
Oh Cuco Peña, não era a mulher certa
Oh Cuco Peña, oh alma sofrida
Oh Cuco Peña, não era a mulher certa

Então no dia seguinte, terror em sua face
"O que ele fazia ao seu lado" ele se perguntava
Era o jovem Huicho, de modos estranhos,
Vestido de mulher, agora sorrindo para ele

"Você me quebrou a honra!", gritou Cuco Peña
E desorbitado, sacou a pistola
Dando tiros no pobre do Huicho
Lavou sua desonra, o grande Cuco Peña

Atrás das grades, o grande Cuco Peña
Triste e solitário, cumpre sua sentença
Mas de sua cela, ele já fez moradia,
Chegam suas mulheres, comida e bebida

Oh Cuco Peña, oh alma sofrida
Oh Cuco Peña, não era a mulher certa
Oh Cuco Peña, oh alma sofrida
Oh Cuco Peña, não era a mulher certa

E esta foi a história do grande Cuco Peña
Gênio e figura até a sepultura
Perambulando o mundo, sua sombra vagava
Buscando sua hombridade que alguém levara...

Oh Cuco Peña, oh alma sofrida
Oh Cuco Peña, não era a mulher certa
Oh Cuco Peña, oh alma sofrida
Oh Cuco Peña, não era uma mulher!!!

Terra Música feedback