exibições 22.830

As flores quando é de manhã cedo, com seu perfume no ar, exala
A madeira quando está bem seca, deixando no sol bem quente, estala
Dois baianos brigando de facão sai fogo quando o aço, resvala
Os namoros de antigamente, se espiava por um buraco na sala

As pessoas que são muda e surda, é por meio de sinal que fala
Os granfinos de antigamente, quase que todos usavam bengala
A mochila do peão é um saco, a coberta do peão é o pala
Os casamentos da roça tem festa, ocasião que o pobre se arregala

Preste atenção que o relho dói mais, é aonde ele pega a tala
Divisa de terra antigamente, não usava cerca era vala
Naturalmente um bom jogador, todo jogo ele está na escala
Uma flor é diferente da outra, pro cuitelo seu valor iguala

Caipira pode estar bem vestido, ele não entra em baile de gala
Pra carregar o fuzil tem pente, garrucha e o revólver tem bala
O valentão está arrastando a asa, mais quando vê a polícia cala
Despista e sai devagarinho, quando quebra a esquina e abre ala

Pra fazer viagem a bagagem, geralmente o que se usa é mala
A baiana pra fazer cocada principalmente o coco se rala
No papel o turco faz rabisco e diz que escreveu abdala
As pessoas que morrem na estrada, por respeito uma cruz assinala

Composição: Pagode de Carreirinho/Oscar Tirola · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Simple
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.
Terra Música
feedback