The Churchyard

Voltaire

exibições 276

The Churchyard

A bell in a churchyard,
It yells for me to begin.
And my hands they tremble and shake.
While a chill grows under my skin.
It rains in the valley,
It rains from the skies.
And it's raining deep inside my soul,
And it pours up and out of my eyes.

A long ago, you were here in my arms
And I swore I would protect you from harm
Now here we are.
On this hill, 'neath the tree
In the Churchyard at dawn.
How could we've fallen so far?

The earth is a blood-red clay
That cakes to my heels.
And the stain grows heavy as lead,
And my heart it is heavier still.
In a bow there's a raven
And its eyes fix me with a stare.
Then he turns and screams at the sky.
And it burns like the truth in my ears.

Not long ago, you were here in my arms
And I swore I would protect you from harm
Now here we are.
On this hill, 'neath a tree
In the Churchyard at dusk.
How could we've fallen so far?

No one should find out how it feels
Standing here, hoping and praying
You'll awake from this awful ordeal.
No one should find out what it's like
Standing here, digging a hole in which to bury
Your child and your wife.

When they are finished
They look like wombs on a hill
Two graves, they lay side by side
For my life and my lover to fill.

No one should find out how it feels
Standing here, hoping and praying
You'll awake from this awful ordeal
No one should find out what it's like,
Standing here, not having the means
To buy the medicine to save their lives.

O Adro

Um sino de uma igreja,
Ele grita para eu começar.
E minhas mãos tremem e se agitam.
Enquanto um frio cresce debaixo da minha pele.
Chove no vale,
Chove dos céus.
E está chovendo dentro de minha alma,
E derrama cima e para fora dos meus olhos.

Um tempo atrás, você estava aqui em meus braços
E eu jurei que iria protegê-la de danos
Agora aqui estamos nós.
Nesta colina, 'Sob a árvore
No adro ao amanhecer.
Como poderíamos ter caído até agora?

A Terra é um barro vermelho-sangue
Que os bolos para meus calcanhares.
E a mancha cresce pesado como chumbo,
E meu coração é mais pesado ainda.
Em uma curva, há um corvo
E seus olhos fixam-me com um olhar.
Então ele se vira e grita para o céu.
E queima como a verdade em meus ouvidos.

Um tempo atrás, você estava aqui em meus braços
E eu jurei que iria protegê-lo de danos
Agora aqui estamos nós.
Nesta colina, 'Sob a árvore
No adro ao amanhecer.
Como poderíamos ter caído até agora?

Ninguém deve saber como ele se sente
Ficando aqui, esperando e rezando
Você vai acordar desse terrível provação.
Ninguém deve saber o que é
Ficando aqui, cavando um buraco para se enterrar
Seu filho e sua esposa.

Quando terminarem
Eles se parecem com úteros em uma colina
Dois túmulos, eles estavam lado a lado
Por minha vida e minha amante para preencher.

Ninguém deve saber como ele se sente
Ficando aqui, esperando e rezando
Você vai acordar desse terrível provação
Ninguém deve saber o que é,
Ficando aqui, não ter os meios
Para comprar o remédio para salvar suas vidas.

0 comentários
Terra Música feedback