O Julgamento

Amado Batista

exibições 100.713

Silêncio que o réu tem algo a dizer em sua defesa...

Sempre quando eu voltava para o lar
Ela ia me esperar toda a tarde no portão.
E no abraço me beijando com ternura
Me apertava com loucura provocando a emoção
O nosso quarto se enchia de amor
E nos abraços o calor do seu corpo me acendia
E de repente sem censura ou preconceito
Ela me dava o direito de lhe amar como eu queria

REFRÃO 1

Momentos que eu vivi...noites que eu não esqueci (2x)
Mas um dia ao voltar pra casa cedo
Ao entrar eu tive medo, algo não estava bem
Em nossa cama aquela quem eu mais amava
Totalmente se entregava nos braços de outro alguém
Desesperado pelo golpe que sofri nem sequer eu percebi
Que atirava sem parar
Ao ver os corpos abraçados e sem vida
vi nascer uma ferida no meu peito a machucar

REFRÃO 2

Naquela hora como eu sofri...
De certa forma eu também morri (2X)
Senhor juiz eu peço a sua atenção
Para a minha explicação
Minha única defesa
Naquela hora eu estava inconsciente, mas agora no presente
Não suporto essa tristeza
Como agiria cada um que me condena se assistisse a mesma cena
Estando ali em meu lugar
Por isso eu peço ouvir o grito da razão
Ninguém sofre uma traição e se cala pra pensar

Repete REFRÃO 2

Composição: Walter José e Sebastião Ferreira da Silva · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por LFW
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.
0 comentários
Terra Música feedback