Letras de músicas - Letras.mus.br

Se Renda

Ao Cubo

Pregue a palavra de Deus, se é o que tu acreditas, prepare seu futuro faça como as formigas
Que no verão se estocam de comida pro inverno se sentarem ao lado da rainha
É como a eternidade, não é pra covarde, tem que ter peito pra subir com a majestade
Se queres viver mais de trezentos anos viva, vá até o fim com muita fé se acreditas
Tem que ter o rosto manchado de esforço, de poeira, de suor, sangue, como um touro
Forte e robusto mas com um coração justo e a alma arrependida pra depois não levar susto
Se junte com a gente, sempre ore pelo Ao Cubo, o corpo dividiu por vaidade e orgulho
Por placa, por roupa, por doutrina, por luxo, sendo que o que precisava era amor puro

É tanta coisa que minha alma fica tímida, cansada, fria, opaca, não brilha
Pai te peço desculpas pelo meu rosto carrancudo e por me esquecer que não sou filho único
Meu egoísmo se escondeu, não encontrei, não dividi o amor que o SENHOR Me deu com ninguém
As suas mensagens no coração aprisionei, o discurso de meus dias não foi segundo a lei

Eu estava lá no meio pra falar com os irmãos da fartura de amor que tu me destes nas mãos
E eu agi como um ator sem emoção, dentro da jaula, cara a cara com o leão
Eu sabia o que o SENHOR Esperava da minha oração, que eu lembrasse dos amigos da Bela Vista, do CEDON
Pela minha má postura Pai te peço perdão e peço agora que despertes um novo Vulgo Feijão

Se arrependimento matasse... - não mata não
Eu estaria morto... - não tava não

Rosto de porcelana, status, muita grana, brilha na TV com luxuria e fama
Diz que é evangélica se o ibope desanda, grava um CD e diz que pra Jesus canta
Nunca julgues é um aviso, conselho de amigo, Deus não deu a ninguém autoridade pra isso
Cristo veio pro mundo pros doentes e feridos pra que se arrependessem e não caíssem no abismo

Gato com gata, rato com rata, se não fosse assim é claro extinguiria a raça
Não acredito que já foram sujeito homem como eu, travesti é ingrato, despreza o que fez Deus
Cada um com sua mania o problema não é meu, a salvação é reservada pra quem se arrependeu
O homem que disser que nunca errou não nasceu, se arrependa do que fez, esqueça o que aconteceu

Papel de seda, erva apertada, mente com efeito e flagrante é só fumaça
Moleque de 12 da uns dois e decola, fuma "fuuu..." fuma "fuuu..." vixe até umas hora
Vamos passa, passa a bola, vê se não pipoca, mostra o que cê sabe e que não se aprende na escola
Se aprende cos maluco mais velho la de fora, que cheirar é uma jóia e fuma tá na moda

Seja bem vindo esse é o vírus do ebola, que se alastra sem fadiga trocando caderno por arma e droga
Um monte de sujeito viciando a molecada, diz que é natural e que só um baguio não pega nada
É mas o Sr. é piedoso entende? e sua misericórdia atinge só quem se rende
Se arrependa do que fez se renda sem timidez, talvez seja a chance, a última vez

(Refrão)

O resumo de uma vida é o amor de Deus, com o ar que Ele fez um pulmão encheu,
Um coração bateu, uma folha procurou o chão, assim Ele permitiu assim estabeleceu
Criou todo ser vivo, ave, peixe e mamífero pra que todos procriassem e não fossem extintos
Definiu que todo bicho agiria pelo instinto, mas o homem não esse teria livre arbítrio

Decisão, escolha, entendimento, ter juízo, racionalidade pra pensar com sentido
Se desenvolver como um coelho da filho, amar até a morte sempre que for preciso
Isso, foi assim ou não foi que aconteceu, toda criatura se prostra pra Deus
Por mais incrédulo que seja, escolha o mais ateu, no desespero até a flor suplica a chuva entendeu

Nasce, cresce, atinge a velhice, depois padece, não dá pra voltar, olhar pra traz quando escurece
Não adianta se arrepender depois que o leite ferve, é assim que foi escrito, é como um rio que desce
A montanha com coragem sem olhar pra traz, parar é impossível e voltar jamais
Na existência não se volta só se anda mais, podes apenas ir em frente, vai em paz

Tudo aquilo que fizeres sempre terá um preço, tudo vai de uma consciência um recomeço
Então se quiseres ter um grande desfeche, não nade contra o rio, você não é peixe
Eu solto a corda que te prende no trilho do trem, da tempo de correr antes que ele vem
Está tudo se acabando, se arrependa, se arrependimento matasse, to me matando

(Refrão)

Composição: Vulgo Feijão · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Guilherme
21.837 exibições
Ver mais fotos
Músicas
Ouvindo agora ouvintes online
    Artistas
    Estilos Musicais
    Playlists
    Recentes
      Destaques
      Últimos destaques
      Mais