exibições 8.686

Quando eu ouço um verso rimado
Na chucra voz de um cantor
Sinto-me as vezes emocionado
Lembrando que sou seu autor

Rimando então me proponho
Cantar para ela uma canção
E pro violão me transponho
Seu bojo é o meu coração

A vida tem coisas belas
Que infeitam o meu versejar
Com a prenda olhando a janela
Meu canto ordenha o luar

Só a rosa explode seu aroma
E o amor é uma doce mentira
Minh'alma boêmia se doma
Simbrando as cordas da líra

Minhas palavras serenas
Se pintam todas de prata
Bem dizendo as almas gêmeas
Que cantam esta serenata

E os dois, cantor e poeta
Vivendo o mesmo universo
Cantam as rimas prediletas
Com afinação do meu verso

Com essa cadência da métrica
Dançam as sílabas mais fortes
Jorrando a veia poética
Com esta harmonia do acorde

Minha prenda olhando a distância
Escuta nossa canção
Se alumbra o pátio da estância
e um guaipéca uiva no então

Se encanta chorando a prima
E este violão comovido
Meu canto é o solo da rima
Rimando no seu ouvido

E ali num breu da janela
Seus olhos dormem nos meus
O cantor canta pra ela
Mas o seresteiro sou eu

O cantor canta pra ela
Mas o seresteiro sou eu

O cantor canta pra ela
Mas o seresteiro sou eu

Composição: Edilberto Teixeira; César Oliveira · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por leofiescki
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.
Terra Música
feedback