Letras de músicas - Letras.mus.br

Liga nóis

Realidade Cruel

Dá licença porque pá, mais febril e tenebroso do
que o mar e tsunami, eis que tamo de volta e gigante
Pela sede de justiça em pról favela ou gueto
Pelas escadas da vida no degrau do sofrimento
Aprendi que os murro de Mick Tyson era o ódio
Que aqui tem que ser H.aço pra ter pódio
Rotineiro, constante, avassalador
Tem lágrima sangrando a alma do compositor

(Refrão:.2x)
Liga nóis... liga nóis e dá um salve
Sasasa, salve... salve
Liga nóis e dá um salve!
(Salve... salve!)

Liga nóis se for esmagar as bactéria que tão no ar
Em qualquer bang em qualquer fita tamo ai é pra somar
Dá um gritão e pode pá que as rua nóis conhece
Como as ponta dos calcanhar nóis é a zica que estrala no Rap
Pau no seu cú cuzão que me critica
Que fala que minha letra prus muleque na verdade incíta
À violencia ao crime organizado
Mas são 20 de caminhada e nos 20 fui Rap pesado
Eu represento e represento com orgulho memo
Os mano que nos fundão das cadeia pilotam sem medo
Com disciplina impondo a paz nas quebrada
(Salvee..!) Salve salve porque o certo não admiti falhas
E não importa seu discurso não muda meu rumo
Se ainda tem sangue respingando nas tag dos muro
Cê que sonhou com um mundão bem melhor
Mas já viu que quem veio do pó voltará ao pó e é só.

(Refrão:.2x)
Liga nóis... liga nóis e dá um salve
Sasasa, salve... salve
Liga nóis e dá um salve!
(Salve... salve!)

K.A.R.O pra finalizar L
Dá licença queridão Karol pra quem não me conhece
Concreto, racha memo extremesse o esqueleto
As pata de dinossauro esmagando com sangue nos dedo
Os inimigo, os verme corrompido
(Realidade Cruel...) é locomotiva fora dos trilho
(E sai da frente...) que nóis tamo sem freio
Aqui é resistencia nego é rap verdadadeiro
E que se foda que não toca nas rádio dos boy cuzão
Meu terrorismo é sonoro, é pra fazer revolução
No coração do favelado na alma do detento
Do mano que na biqueira gladeia pelo sustento
Do tio humilhado na reintegração de posse
Baleado seu barraco pela merda da tropa de choque
Queria sim paz pra periferia
Sem ter que deseja morte de pilantra por pedofília

(Refrão:.2x)
Liga nóis... liga nóis e dá um salve
Sasasa, salve... salve
Liga nóis e dá um salve!
(Salve... salve!)

Eu sei
Que nas quebrada infelismente ecoa bala
Eu sei
Que nas quebrada infelismente ainda a polícia mata
Eu sei
Que se tem corpos decompondo no rio
Tem retrato mais que claro que vivemos na guerra civil
Tem .30 disparando, incendiando
Os águia da PM ou as blaser no assalto a banco
Cê tá nos campo de concentração moderno
Onde a besta é americana em vez de cauda e chife usa terno
Intão não treme criança quando cê vê
Outro ataque simultâneo comandado pelo PCC
Outro menor que furou de 9mm o pára-brisa
No engarrafamento pela jóia de origem suiça
Então não diga que nosso Rap apenas retrata
Esteriótipo, apológico a violência barata
Se é... violento o cotidiano periférico
Se torna natural infelismente ser sangrento os versos.

(Refrão:.2x)
Liga nóis... liga nóis e dá um salve
Sasasa, salve... salve
Liga nóis e dá um salve
(Salve... salve!)

Composição: Douglas e Karol · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Flávio
31.597 exibições
Ver mais fotos
Músicas
Ouvindo agora ouvintes online
    Artistas
    Estilos Musicais
    Playlists
    Recentes
      Destaques
      Últimos destaques
      Mais