Rincão dos Touros

Luiz Marenco

exibições 10.785

Sobra cavalo pra cantar este Rio Grande
largo a cabeça do meu verso pêlo mouro
Sou crina grossa, crioulo dos olhos d'água
e peão campeiro da estância rincão dos touros

O grujo velho capataz a muito tempo
meio lunanco das tropadas que levou
E mesmo assim segue bolcando a cada pealo
xucros e malos que o destino lhe entregou

Na recolhida o negrinho salta em pêlo
numa gateada mui llerena e traiçoeira
Se esconde a cara no sair do parapeito
já de vereda enreda a marca na soiteira

A cachorrada no movimento da encilha
faz uma festa de latidos esperando
Que a indiada saia pra fazer um costadito
num desbocado que se arrasta corcoveando

O saragossa cria de alla do Uruguai
contrabandeou a própria vida por aqui
Passeando espora nos veiaco das estância
bandeando potros nas cheias do piraí

E o Dom Felipe vaqueano desta fronteira
bateu na marca pra o rumo das serrilhada
Poncho emalado pingos de muda por diante
busca uma tropa que a esse tiempo foi comprada

Rincão dos touros esperança de à cavalo
na resistência tranqueando de lombo duro
É um contra-mestre segurando a linha reta
que a tradição vem alambrando pra o futuro

Sobra cavalo pra cantar este Rio Grande
largo a cabeça do meu verso pêlo mouro
Sou crina grossa, crioulo dos olhos d'água
e peão campeiro da estância rincão dos touros

Terra Música feedback