Rio (Puro Suco)

Marcelo D2

exibições 9.416

Rio de janeiro, 021 neguinho

O bonde parte de 434 destino leblon
Do hard-core ao hip-hop dominando o som
Abriu a porta, desce, a cidade que cresce
Suburbio é onde as coisas "acontece"

Eu vim da parte onde os cana mata
As mina quer dinheiro
A recíproca é verdadeira
Dentro desse formigueiro

Só veneno da lata
Rolé com meus parceiro
Tô na praia que é de graça
Sol quente o ano inteiro

Os racha no aterro
O jogo na serrinha
Os cria segue o enredo
E a pista perde a linha

Se a pista perde a linha
É que caiu na boemia
E nas 12 badaladas
Penso que a cidade é minha, e é minha

Rio, da chapa quente ao puro suco
Quem é daqui tá ligado os gringo ficam maluco
Eterna inspiração de canto em verso e prosa
No subúrbio da zona sul, cidade maravilhosa

Muita gente ouviu o meu cantar
Eu batuco até o amanheecer
E nos pés do cristo a me saudar
Eu registro a alegria de viver

E se a vista é de frente para o mar
Somente o que me resta é agradecer
Me abençoe, São Jorge e Iemanja
Eu registro a alegria de viver

Nova capela, posto 9
Circo voador, jobi
Bar do serafim na alicio
O bicho pega é aqui

Pagode do Arlindo
Mas um chopp com Zeca antes
Depois pra matar a larica
Um sanduba no servante

O ritmo é frenético no funk
As mina perde a linha
Sambando e no funk
É punk

Tu tá na correria
Chega no sapatinho
Pisa devagarzinho
Vai chegando de mansinho

É que a cidade tá no sangue
É que o sangue é carioca
Você não da o ritmo
É a cidade que toca

Eu tô ligado, irmão
Tô aqui há um tempão
E aprendi que a felicidade
Não é só dinheiro na mão

Aqui é o Rio, da chapa quente ao puro suco
Quem é daqui tá ligado, os gringo ficam maluco
Eterna inspiração de canto em verso e prosa
No subúrbio da zona sul, cidade maravilhosa

Muita gente ouviu o meu cantar
Eu batuco até o amanheecer
E nos pés do cristo a me saudar
Eu registro a alegria de viver

E se a vista é de frente para o mar
Somente o que me resta é agradecer
Me abençoe, São jorge e Iemanjá
Eu registro a alegria de viver

Terra Música
feedback