Três Reis

Rodox

Queima de arquivo, eu não acredito mas saí vivo
Eu até fico surpreso do ponto que eu parti até a lama que eu desci
da mesma forma eu subi
I'm free
Tô aqui tô ileso, ligado e aceso, mais leve
porém dobrando no peso
É a vida que escreve
Eu só ponho na balança
E quando o sangue ferve
Você não é mais criança
Nem eu sou mais o mesmo que canta.

Eu não sei pela dança do mundo
Eu vi quase de tudo, eu falei muito pra surdo
Joguei pérolas aos porcos e vi o que acontece
E quando o nível desce, alguém faz da mentira um escudo
Hoje eu cheguei a conclusão
É melhor vivo essa pressão
É o que a própria vida ensina
Mas tem gente que em vida já morreu
Por que só aprendeu
O que passou através da retina.

Nascem, morrem, não dormem
Sem duvidar, não sou digno de duvidar
Tem potência palavra que tem essência viva.

A medida indica o abuso
É quando a fome vira gula
Um ciclo fechado por corrente cadeado
Convidado ou intruso
Aqui não temos bula
Que indica o modo de uso
Eu vejo o inimigo no espelho
Meu sangue no joelho
É sempre para me lembrar
Que os vultos e vozes que chegam devagar
Inofensivos como coelhos
São piores que a serpente do mal
Sem palavras que conte a dor da pedrada
No fronte expressão de terror
O desfecho da cilada já tinha dia e hora marcada
Daquele horizonte eu não veria a cor
Sequelado talvez
Renovado no segundo mês
Sossegado por ser natural
Vou vivendo com tanto sofrimento
Sabendo que o mal pensamento
É uma arma letal.

Se eu não mudar ninguém vai ver que eu me afundei
Quem sentiu a dor mais forte.
Se eu não voltar se lembre bem que
Eu não sou ninguém sem teu amor por mim.

Longo gatilho do disparo do inimigo
De pé eu não desisto to vivo
Resisti
Todo mundo grita mais eu sei não é comigo
Sou surdo e não enxergo por isso Estou aqui
Alternativa dois é a minha escolha
Cada um cada um eu vou na boa
Meu tempo no limite me obriga a ir em frente
Seguir naturalmente
Libertar a mente
Sem rangir os dentes
Sigo Na calma
Desobediente
Libertando a alma
Agora não embaça
Você perdeu a graça
Prende estica puxa passa
Abra os braços vem me abraça,
Quero a paz o amor me abraça.

Amigos e irmãos não te abandonarão
Nem se a terra acabar
Pois tapa nas costas de qualquer um
Hoje em dia não dá.

Cresci, vivi e vivo em qualquer lugar
Andando de frente de costas
Em qualquer luar
Com Fela Kuti nos ouvidos pra me acalmar
E não seria com vermes xitas traíras
Que eu viria a me preocupar
Chegado Rodolfo de idéias claras a enxergar
Meu apelido veio da mística
E da destreza de uma ave de rapina
E não precisa de drogas pois minha cabeça
Não comporta mais anfetamina
E sim adrenalina que é uma vacina da minha mania
De que tudo se transforme em música um dia,
De que tudo se transforme em música um dia.

Vê se acorda
E vê que essa vida que estão te oferecendo é furada
A classe política totalmente manipulada
Se você não esquecer que bom ou ruim
Você é igual a mim e pode ser achado em qualquer lugar
Nunca duvide: Aqui se faz, aqui se paga
Pois o dia é feito de chão, poeira e estrada
De poeira, chão e estrada.

Se eu não mudar ninguém vai ver que eu me afundei
Quem sentiu a dor mais forte
Se eu não voltar se lembre bem que
Eu não sou ninguém sem teu amor.

Composição: Rodolfo Abrantes / Xis / Falcão · Esse não é o compositor? Nos avise.
131.856 exibições
Ver mais fotos
Músicas
Ouvindo agora ouvintes online
    Artistas
    Estilos Musicais
    Playlists
    Recentes
      Destaques
      Últimos destaques
      Mais