Expresso da Meia-noite

Racionais Mc's

exibições 161.729

Tô de rolê na quebrada, de Parati filmada
São 23 horas e a noite tá iluminada
Acendo um cigarro, tô inspirado
Ando sozinho, não, não, Deus tá do lado
É sábado, a rua tá cheia, uma pá de gente
Delegacia 73 rebelião no pente
No São Luís alguém sangrando na fila de espera
Enquanto em alguma encruzilhada se acende vela
Na igreja os crentes faz vigília pra se salvar
Ansiedade à espera de Jesus quando voltar
Em frente um bar tá lotado
Fim de carreira vários tio embreagado
Talvez seja frustrado com a família
Ou tenha espancado até a sua própria filha
Que brilha naquela maldade com o próprio corpo
15 Anos de idade e já fez aborto
O que não falta é louco e louca tem de sobra
Periferia legião, mãos à obra
Álcool e droga tá ali, corre junto
A morte a foice atrás de mais um assunto
É 2 minutos pra arrumar
Quem tá de luto aqui nem chega a respirar
Tem que pensar mais rápido, e puxar o gatilho
Se não for ligeiro parceiro, toma tiro
Tá no limite (tá) a flor da pele (tá)
Quem é ferido com o mesmo ferro sempre fere
A arma de fogo impõe respeito
No submundo da metrópole é desse jeito
Não pense, não pisque, não dê um passo
Quem se habilita, (falô) é um abraço
A paz é dechavada e fumada na seda
Tranquilidade enquanto a brasa tá acesa
A cortina de fumaça sobre o holofote
Onde a aliada maior é a sorte
Em cada lote, uma viela
Nas curvas da nova galvão, uma favela
Que testemunha toda hora algum coitado
Igual aquele que no meio foi rasgado
Metralhado, vários tiros de automática
Pros covardes é a forma que é mais prática
Eliminar e deixar pra trás
Uma mancha de sangue que não apaga nunca mais
Familias destroçadas, pela maldade
Criança sem pai vai ser o que mais tarde?
A vida não é um conto de fadas
(Não), principalmente na calada (na quebrada)
Onde a gente vê, registra várias fitas
O que ser humano é capaz você não acredita
(Só quem é de lá... Sabe o que acontece)
Eu vejo terra (eu vejo), eu vejo asfalto
Eu vejo guerra, morte, assalto
Sangue no chão a esperança que agoniza
Reflete a vida que a novela satiriza
"Aí, fica ligeiro que na esquina tá embaçado
A área tá sinistra e o clima tá pesado"
A zona norte é grande e extensa
Cada quebrada, uma situação, uma sentença
Sem diferença, conheço os 4 canto, eu vi
A violência, se iguala por enquanto aqui
Chacina, estupro, tráfico
A noite é foda irmão, só dá lunático
Vida de louco, de inferno e sufoco
Dinheiro vai e vem. mas ainda é muito pouco
Se tem coragem até uns doido correm atrás
Se 2 é bom, trutão, 3 nunca é demais
Mais uma pá de prego espera acontecer
Agora a mina grávida, o que cê vai fazer?
Vender um barato na esquina ou vai roubar
O pivete logo vai nascer, quem vai bancar?
Familias vem, familias vão
Fugindo da morte, fugindo da prisão
A vida do fundão é desequilibrada
Hebron, Piquiri, Jová, Serra Pelada
(Só quem é de lá... Sabe o que acontece...)
Ninguém confia em ninguém, é melhor assim (melhor)
Eu nem na minha sombra, e nem, ela em mim
Hoje qualquer moleque tá andando armado
Puxar o cão sem pensar pra ser respeitado
Eu tô ligado, eu sei quem é quem
O super-homem de bombeta vai matar alguém
Sendo refém de espíritos malignos
Mal intencionado, cínico, leviano, indigno
Fui obrigado a conviver com isso
Com uma quadrada e um velho crucifixo
É sempre bom andar ligeiro na calada
A vida não é um conto de fadas
(Só quem é de lá... Sabe o que acontece...)

Terra Música feedback